CineEco – FESTIVAL INTERNACIONAL DE CINEMA AMBIENTAL, PASSOU POR TORRES VEDRAS

O CineEco – Festival Internacional de Cinema Ambiental da Serra da Estrela, organizado em Seia, está a apostar na promoção de extensões do Festival de Cinema Ambiental CineEco.

Este Festival já conta com mais de 30 cidades portuguesas que acolheram este projeto, permitindo que várias cidades, possam vivenciar e a visualizar, alguns dos mais relevantes documentários de cinema ambiental de todo o mundo.

Torres Vedras recebeu a 4 de abril de 2019 – A Utopia Revistada – um filme de Kurt Langbein (Áustria, 2018) e foi exibido na Teatro-Cine .

Para além dos 15 concelhos da região das Beiras e Serra da Estrela, o CineEco esteve em itinerância em Lisboa, Porto, Almada, Coimbra, Alcobaça, Leiria, Gaia, Amarante, Vila Real, Funchal, Figueira da Foz, Viseu, Torres Vedras, Faial, São Miguel e Ilha Terceira, entre outros locais.

O festival realiza-se há 25 anos na cidade de Seia, na Serra da Estrela, por iniciativa da Câmara Municipal local e já é considerado “um festival de referência a nível mundial”.

Recentemente, o CineEco fez parte da programação da European Climate Change Adaptation Conference (ECCA 2019), a maior conferência científica europeia sobre alterações climáticas, que se realizou em maio, no Centro Cultural de Belém, em Lisboa.

Ao longo deste ano, a organização do CineEco foi convidada a estar presente no México, no âmbito do festival Cinema Planeta; em Espanha, no Ecozine Film Festival de Saragoça; e contou com uma extensão do Festival em Mindelo, Cabo Verde.

Em março de 2018, o festival foi convidado para fazer uma mostra de curtas metragens sobre a água, no Fórum Mundial da Água, em Brasília; em outubro organizou, em Seia, o I Fórum Mundial de Festivais de Cinema de Ambiente; em novembro chegou a levar filmes portugueses à Feira Internacional do Livro de Guadalajara (México) e, ainda no final do ano, foi um dos festivais integrantes do painel de oradores no Encontro de Festivas de Cinema Ambiente da América Latina, em Santos, no Brasil.

Segundo o diretor do CineEco, Mário Jorge Branquinho, o papel dos organizadores do festival “é, e continuará a ser, consciencializar a população, em particular os mais jovens em idade escolar, para a causa ambiental através do cinema”.

“Acreditamos estar a cumprir um serviço público relevante assente no cinema como instrumento de educação ambiental e agente de mudança. Até porque só temos um Planeta e não há Planeta B”, sublinha.

A 25.ª edição do CineEco vai decorrer de 12 a 19 de outubro, em Seia.

Related Posts

Add Comment