A CUF vai entregar 50 ventiladores ao SNS

O grupo hospitalar privado CUF vai disponibilizar a partir dos próximos dez dias e de forma progressiva,  50 ventiladores ao Serviço Nacional de Saúde.

 Igualmente, a Misericórdia de Lisboa vai ceder seis ventiladores ao Estado

“Reforçámos as encomendas de ventiladores para as nossas unidades e considerámos que era uma das formas como poderíamos contribuir para o SNS”, refere Salvador de Mello, fazendo questão de agradecer “as palavras de apreço pelo sector privado referidas há pouco pela ministra da Saúde [Marta Temido falou em conferência de imprensa]”.

Sobre o número de ventiladores que existem nas unidades CUF, Salvador de Mello frisa que se tratam de equipamentos com muitas tipologias “e essa contabilidade depende desse detalhe”.

Frisa ainda que o grupo hospitalar “está a trabalhar afincadamente em colaborar neste esforço nacional contra a pandemia” e que têm sido dias que obrigam a gerir “com nervos de aço”. “O nosso compromisso é fazer tudo o que estiver ao nosso alcance para debelar esta pandemia e já manifestámos a nossa disponibilidade para colaborar com o Ministério da Saúde na resposta às necessidades da população nos termos em que o Governo entenda necessários e de acordo com as disponibilidades existentes”.

Esta colaboração pode incluir internar doentes infetados e, a esse respeito, Salvador de Mello diz apenas que “há uma estratégia de atuação que compete ao Ministério da Saúde definir”. “Estamos em articulação diária e permanente com a Direção-Geral de Saúde (DGS) e temos tido um papel na identificação dos casos e no encaminhamento dos casos para o hospitais públicos”. E há margem para fazer mais: “estamos disponíveis para com o Ministério da Saúde definir outros termos de colaboração que sejam considerados importantes”.

As unidades CUF têm estado numa profunda reorganização para adequar a sua resposta ao Covid-19. As equipas mantêm-se as mesmas, mas os recursos humanos estão a ser centralizados nos hospitais onde a José de Mello Saúde antecipa uma maior afluência. As medidas que estão a ser adotadas já entraram em vigor e preveem reforçar com meios humanos e técnicos na região metropolitana de Lisboa, pois a expectativa é um crescimento da procura de casos suspeitos.

Nesta terça feira, dia 17, a Associação Portuguesa de Hospitalização Privada reúne com a DGS por causa da crise do coronavírus e deverá ser reforçada a articulação entre os sectores privado e público.

Assim como o grupo Mello, também a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML) irá ceder seis ventiladores ao Estado que estão, atualmente, no seu Hospital Ortopédio de Sant’Ana, na Parede. “Três são equipamentos novos prontos a usar e os outros três são usados e, por isso, antes de serem cedidos precisam de manutenção que será assegurada pela Santa Casa”, adiantou ao Expresso fonte da SCML.

A não perder

Comente este artigo