Pelo quarto ano consecutivo o Município de Torres Vedras vai aderir ao projeto Família do Lado, o qual é promovido pelo Alto Comissariado para as Migrações, I.P. – ACM, I.P., e terá lugar no próximo dia 22 de novembro.

Recorde-se que esta é uma iniciativa que visa promover a criação de novos mecanismos de aproximação de grupos – comunidades imigrantes e sociedade autóctone – enquanto estratégia para a integração dos imigrantes na sociedade portuguesa, ao mesmo tempo que contribui para a construção de uma imagem positiva em torno da interculturalidade e da diversidade cultural.

Para isso, uma família aceita acolher em sua casa uma família que não conheça, constituindo-se pares de famílias (uma imigrante e outra autóctone) para a realização de um almoço convívio típico da cultura da Família Anfitriã, como forma de acolhimento do “Outro”.

Os encontros decorrem, obrigatoriamente, no mesmo dia e na mesma hora, em todo o território nacional, e em todos os países que se associam à realização desta iniciativa.

De referir que a iniciativa “Família do Lado” nasceu em 2004, na Republica Checa, a partir de um ideal criado pela fundadora da O.N.G. SLOVO 21 – Jelena Silajdzić- , ela própria imigrante nesse país, para onde fugira com a sua família, da Bósnia e da guerra que pôs termo à ex-Jugoslávia. Numa sociedade fechada aos desafios da imigração, sentiu que faziam falta mecanismos de interação entre as comunidades imigrantes e a sociedade autóctone e criou o projeto “Next Door Family EU”. O projeto deriva do conceito de “Bairros Inclusivos” e assenta na interação entre imigrantes e autóctones e na importância do reforço das relações sociais como forma de contribuir para uma integração mais efetiva, eliminando barreiras e promovendo a diversidade cultural. A iniciativa centra-se na ideia de partilha humana, tendo como protagonistas as famílias.

Desde 2012 que Portugal é o país que reúne o maior número de participantes em torno da iniciativa “Família do Lado” – 1.717, correspondentes a 559 famílias (309 imigrantes e 250 autóctones), envolvendo 50 nacionalidades, em 55 concelhos.