Cento e trinta estagiários foram recrutados para embaixadas em todo o mundo. Mão de obra grátis ou mesmo regime de escravatura é o que denuncia o Sindicato e Movimento dos Precários.
Pagar para trabalhar é o que acontece a muitos jovens que vão estagiar numa embaixada ou num consulado, seja na China, no Brasil ou Malásia.
A denúncia é feita pelo Movimento Precários Inflexíveis, depois de o Ministério dos Negócios estrangeiros ter recrutado, ao abrigo de um acordo com as universidades, 130 estagiários para embaixadas em todo o mundo.