Temáticas relacionadas com a integração das comunidades ciganas foram debatidas e refletidas em Torres Vedras nos dias 22 e 23 de janeiro no âmbito do II Encontro Nacional do Programa Romed2.

Os dois dias do encontro pautaram-se pela realização de workshops dirigidos quer aos membros representantes da comunidade cigana dos vários municípios envolvidos (Figueira da Foz, Coimbra, Abrantes, Torres Vedras, Beja, Moura, Elvas, Barcelos e Seixal), quer a técnicos e decisores políticos convidados.

O funcionamento dos gabinetes de apoio comunitário nacionais afetos àquele programa foi a temática central deste encontro que decorreu na maior parte do seu tempo no Edifício dos Paços do Concelho de Torres Vedras e resultou de uma organização conjunta do Município de Torres Vedras, do Alto Comissariado para as Migrações, da Associação Letras Nómadas e do Programa Romed2.

Refira-se que o Programa Romed2, que é promovido pela União Europeia, tem como objetivo principal assegurar a equidade da mediação entre as comunidades ciganas e as instituições públicas. Coloca no centro do seu processo o Grupo de Ação Comunitária, o qual é formado por cidadãos das comunidades ciganas, mobilizando-os à participação e ao diálogo com as instituições públicas. Os grupos de ação comunitária são compostos por cidadãos da comunidade local (homens e mulheres) que se envolvem progressivamente no processo democrático do seu município. Tal traduz-se na possibilidade de transmitirem, de forma organizada, as prioridades a que consideram mais urgente dar resposta, tendo em conta os meios à disposição das autoridades locais.

De referir que o trabalho do Grupo de Ação Comunitária de Torres Vedras já foi encetado, ocupando o mesmo um espaço a partir do qual realizará ações de intervenção comunitária, estando primeiramente previsto a este nível a recolha de alimentos e de bens de primeira necessidade.