O ministro Poiares Maduro defendeu hoje que a referência à data de final de maio para o encerramento de 50% das repartições de Finanças não é vinculativa e que tudo está ainda em discussão.
À saída de uma audição no Parlamento, Poiares Maduro disse que o prazo de final de maio para o fecho de metade das atuais repartições de Finanças se deve apenas ao facto de ser essa a data do final do programa de assistência económico-financeira.
O Sindicato dos Trabalhadores dos Impostos diz que não há condições para que este prazo seja cumprido e contesta a exigência da Troika. Em causa, está o encerramento de 177 repartições em todo o país.