No âmbito das comemorações do 250.º aniversário do nascimento de Francisco Ciera, inúmeras entidades representativas de diversas áreas abrangidas pela ação deste académico e cientista têm vindo a levar a cabo ao longo de 2013 e 2014 um conjunto de atividades evocativas da sua obra – abrangendo áreas que vão da matemática à geografia, passando pela geodesia, a marinharia, a cartografia, a engenharia militar e a metrologia.

É também integrado naquela efeméride e focalizado nos estudos da referida personalidade na área da telegrafia visual que se realizará o ciclo de colóquios “Francisco António Ciera e o telégrafo português nas Linhas de Torres”.

Organizado pela Câmara Municipal de Torres Vedras (entidade que integra a Rota Histórica das Linhas de Torres e é cooperante das referidas comemorações), este ciclo de colóquios integra-se nas Festas da Cidade de Torres Vedras e terá lugar no pavilhão central do Parque Regional de Exposições, em Torres Vedras.

Desenvolvendo-se entre os dias 7 e 12 de novembro, contempla a realização de duas sessões alternativas para o público em geral e de “conversas” participadas e interativas direcionadas ao público escolar.

Recorde-se que Francisco António Ciera (1763 – 1814) foi um multifacetado cientista português. Uma das suas incumbências foi organizar e implantar uma rede nacional de telegrafia visual, numa altura em que se temia em Portugal mais uma invasão francesa. Ciera não só o fez como também inventou três tipos de telégrafo ótico mais simples, mais baratos e mais fáceis de operar que todos os outros existentes no mundo por essa época. O seu trabalho viria por isso a revelar-se decisivo para as Linha de Torres, o mais eficaz sistema de defesa militar de campo da História.