O ciclo Café com Filmes, promovido pela Câmara Municipal de Torres Vedras em parceria com o Académico de Torres Vedras, no Teatro-Cine de Torres Vedras, vai prosseguir.

Os próximos filmes a serem exibidos no âmbito deste ciclo são os seguintes:

16/4 | 21h30 |”Cavalo Dinheiro”, de Pedro Costa (Portugal, 2014) | Sinopse: “Um bairro prospera. Um bairro morre. Um bairro não é mais, é apenas uma memória. Este é o percurso das Fontainhas ao longo de quatro longas e três curtas-metragens de Pedro Costa. (…) No último filme, “Cavalo Dinheiro”, Ventura, o fantasma, regressa, mas as Fontainhas, como espaço real, já não existem. Estão cheias de habitação social. Quando não há para onde ir, as memórias tomam o lugar. O filme decorre numa paisagem imaginária, parte passado, parte presente, toda espaço mental (Indiewire)”. De referir que este trabalho cinematográfico foi eleito o filme do ano pelos críticos do jornal Público e do jornal Expresso; no Festival de Locarno de 2014 recebeu o Leopardo referente ao “Melhor Realizador”; venceu o prémio da Federação Internacional de Cineclubes; ganhou a competição internacional do Festival de Cinema de Vanguarda (Grécia); no Festival Internacional de Cinema de Mar del Plata (Argentina) recebeu uma menção especial para a sua fotografia; e foi eleito pela revista Sight and Sound, do British Film Institute, o terceiro melhor filme de 2014.

23/4 | 21h30 | “Alentejo, Alentejo”, de Sérgio Tréfaut (Portugal, 2013) | Sinopse: “Alentejo, Sul de Portugal. Dezenas de grupos amadores reúnem-se regularmente para ensaiar antigos cantos polifónicos e para improvisar modas sobre o tempo presente. Isto é o cante. Nascido nas tabernas e nos campos, o cante transmitiu-se ao longo de várias gerações. Nas últimas décadas, com a diáspora alentejana, novos grupos surgiram na periferia de Lisboa e em diversos países de emigração. Muitos deles formados por adolescentes e crianças, provando que o cante está vivo e é o traço identitário de toda uma população. Numa altura em que o cante foi justamente reconhecido como Património Cultural e Imaterial da Humanidade pela UNESCO, “Alentejo, Alentejo” é uma viagem a um modo de expressão musical único e à paixão dos seus intérpretes”. Este filme venceu o prémio de “Melhor Filme Português” no Festival Indie Lisboa 2014.

7/5 | 21h30 | “Ida”, de Pawel Pawlikowski (Polónia, 2013) | Sinopse: “Polónia, 1962. Anna é uma bonita jovem de 18 anos que irá em breve celebrar os votos definitivos para se tornar freira no convento onde vive desde que ficou órfã em criança. A madre obriga-a a conhecer antes da celebração dos votos a única familiar viva, a tia Wanda. Juntas, as duas mulheres embarcam numa viagem à descoberta de si próprias e do passado que têm em comum. Anna descobre que é judia e que o seu verdadeiro nome é Ida. Esta revelação leva-a a dar início a uma jornada para desvendar as suas raízes e confrontar a verdade sobre a sua família. Ida terá de escolher entre a sua identidade biológica e a religião que a salvou dos massacres provocados pela ocupação nazi na Polónia. E Wanda terá de confrontar as decisões que tomou durante a guerra quando optou por colocar a lealdade à causa à frente da sua família”. Este foi o filme europeu que somou mais prémios em 2014.

21/5 | 21h30 | “Futuros em Transição” (Sessão Dupla)
“The Trail of a Tale”, de Gonçalo Tocha (Portugal, 2013): “O filme assume a forma de uma carta endereçada do futuro à atualidade. Essa carta segue o rastro de alguém que deixou palavras escritas nas ruas, palavras de mudança, de mudança simples. Neste futuro próximo, as imagens do nosso mundo são as mesmas, mas o valor das palavras, e a ação que indicam, pode ser muito diferente”. Este filme foi feito a convite pelo IMAGINE 2020 – Arts and Climate Change e a Transforma, e inspirou-se no relatório “The Great Transition” do New Economics Foundation. Venceu o primeiro prémio do concurso internacional Action4Climate.

“Voices of Transition”, de Nils Aguilar (França/Alemanha, 2012): “Como é que podemos produzir alimentos suficientes para todos no futuro? Quais são as alternativas à agricultura industrial? Como podemos realizar uma transição para um sistema económico verdadeiramente resiliente e sustentável? Estas questões são colocadas durante o filme e são apresentadas diversas soluções inspiradoras em França, Inglaterra e Cuba”. Este filme foi distinguido como “Best environmental documentar” no Colorado International Film Festival 2014 e recebeu o “Main prize” no Ekotopfilm Festival 2012.
No final da exibição destes filmes haverá uma conversa com Gonçalo Tocha (realizador), Cláudia Galhós (jornalista e investigadora) e Carla Duarte (Be Kyosk – Casa de Trocas de Torres Vedras).
“Futuros em Transição” resulta de uma parceria entre o Académico de Torres Vedras e a associação Transforma.

7/6 | 16h30 | Filminhos Infantis
Nesta sessão ir-se-á ver a dificuldade que um senhor tem para comer uma sandes numa tarde solarenga e aprender-se-á com o Mancha e o Manchinhas que não se deve comer demasiados doces. Acender-se-á uma Luzinha para melhor se ver o teatro da Miriam e com o Rudy descobrir-se-á o poder da amizade e da entreajuda. Abel e Apolline vão tentar partilhar uma amizade, mas perceberão que há coisas que devem ser mantidas separadas. Ir-se-á com a Mia conhecer um Barco que é a casa de uma comunidade de ratos. E finalmente ir-se-á ajudar o Ginjas a descobrir quem roubou as malas!

Os filmes a exibir serão: “Comida de Pássaro” (Richard Keane, Irlanda), “Mancha e Manchinhas: o Dentista” (Uzi Geffenblad e Lotta Geffenblad, Suécia), “Luzinha” (Andrej Gregorčok, Eslováquia), “O Pequeno Rudy” (Dace Ridüze, Letónia), “O Primeiro Outono” (Carlos de Carvalho e Aude Danset, França), “O Barco” (Jānis Cimmermanis, Letónia), “Mia” (Wouter Bongaerts, Bélgica), “As Aventuras de Miriam: o Teatro” (Priit Tender, Estónia) e “Ginjas e o roubo das malas” (Zepe e Humberto Santana, Portugal).

Esta sessão será antecedida de uma oficina de cinema intitulada “Caixa Mágica”, que terá lugar a partir das 15h, também no Teatro-Cine de Torres Vedras.

Neste ateliê destinado a crianças entre os 4 e os 7 anos entrar-se-á no mundo mágico do cinema, onde cada um poderá criar a sua história e aprender a projetá-la, por meio de uma pequena, mas muito especial caixinha… Propõe-se que as crianças participantes criem, a partir das personagens ou histórias que conhecem, uma pequena narrativa, que posteriormente será projetada.

Esta atividade conta com a parceria da Zero em Comportamento e requer inscrições prévias pelo n.º de telefone: 261 338 131.

12/6 | 22h | Lugar ao Clássico: “A Quimera do Ouro”, de Charlie Chaplin (Estados Unidos da América, 1925)  Sinopse: “Charlot parte à procura de ouro no Alaska. Mete-se numa série de situações hilariantes e apaixona-se pela bela Georgia. Tenta conquistar o seu coração com o seu charme inconfundível”.
Está previsto a realização desta sessão ao ar livre (no parque de estacionamento do Teatro-Cine de Torres Vedras), mas em caso de condições meteorológicas adversas terá lugar no interior do mesmo.

 
O ciclo Café com Filmes parte da tradição de Torres Vedras na área do cinema, nomeadamente de um passado cineclubista. É objetivo da iniciativa lançar e dinamizar um conjunto de atividades à volta do mundo do cinema e vídeo, sobretudo mediante a exibição de filmes que contribuam para a formação de olhares sobre o mundo e a sociedade, para a descodificação da linguagem e para a formação de novos públicos.

O visionamento destes três primeiros filmes tem um custo de 2 euros (1 euro para os espetadores pertencentes ao Grupo de Amigos do Teatro-Cine de Torres Vedras e sócios do Académico de Torres Vedras).