O Centro Hospitalar do Oeste (CHO) aumentou, em 2014, os seus indicadores de produtividade relativamente ao ano anterior. Os dados apurados demonstram o aumento do número de consultas externas em 4,6% e do número de cirurgias programadas em 4%, bem como a consecutiva redução do tempo médio de espera para consulta externa e para cirurgia, relativamente aos 12 meses do ano anterior.

Estes foram os dados apresentados ontem, dia 19 de março de 2015, durante uma reunião do Conselho de Administração (CA) do CHO com a Comissão da Assembleia Municipal das Caldas da Rainha, que decorreu no âmbito da política de envolvimento das forças da sociedade que estão diretamente relacionadas com o funcionamento da unidade hospitalar. Na ordem de trabalhos da reunião esteve a apresentação do trabalho desenvolvido durante o segundo ano de atividade do CHO, que se traduziu em melhorias significativas nas condições de atendimento aos utentes da Instituição.

Pelo segundo ano consecutivo, o CHO apresenta um balanço positivo da sua atividade assistencial face ao ano anterior, traduzindo-se essencialmente no aumento do número de consultas e de cirurgias realizadas, que trouxe ganhos significativos para os utentes da região Oeste em duas das áreas de maior importância para a atividade hospitalar e para o acesso aos cuidados de saúde por parte da população da sua zona de influência.

ATIVIDADE ASSISTENCIAL

quadro 1
Fonte: SONHO – Sistema de Informação para a Gestão de Doentes, Administração Central do Sistema de Saúde

Este importante incremento reflete-se na significativa diminuição do tempo médio de espera para consulta externa e para cirurgia. Em 2014, os utentes do CHO esperaram em média menos 9,5 dias por uma consulta e menos 20,9 dias por uma cirurgia face ao ano anterior.

TEMPO MÉDIO DE ESPERA

quadro 2

Fonte: URCTH/ARSLVT
Legenda: * – Sem os dados da especialidade de Oftalmologia, cujos pedidos de consulta pelo exterior e a atividade cirúrgica tiveram início durante o ano de 2014

Este aumento da atividade assistencial, acompanhado de uma redução dos tempos de espera para consultas e cirurgias, foi possível, sublinha o CA do CHO, graças à dedicação e empenho diários dos profissionais de saúde da Instituição, que garantem a prestação de cuidados de saúde de qualidade e de forma atempada aos utentes da região Oeste. Carlos Sá, presidente do CA do CHO, refere que estes dados “resultam da política de constante melhoria que tem vindo a ser implementada nas unidades hospitalares que constituem o CHO, após a sua constituição, em 2012”.

O CHO resultou da junção, a 21 de novembro de 2012, do antigo Centro Hospitalar do Oeste Norte (CHON) e do antigo Centro Hospitalar de Torres Vedras (CHTV), posicionando-se como a unidade hospitalar de referência na prestação de cuidados de saúde na região Oeste, abrangendo uma população direta de cerca de 295.000 habitantes, residentes nos concelhos de Caldas da Rainha, Óbidos, Peniche, Bombarral, Torres Vedras, Cadaval e Lourinhã e de parte dos concelhos de Alcobaça (freguesias de Alfeizerão, Benedita e São Martinho do Porto) e de Mafra (com exceção das freguesias de Malveira, Milharado, Santo Estêvão das Galés e Venda do Pinheiro).